24.12.11

SOLDADO DO EXERCITO MANTEM EM CÁRCERE PRIVADO SUA EX ESPOSA E A BALA. SEGUNDO DELEGADO O MILITAR IRIA MATAR A MULHER E SE SUICIDAR LOGO EM SEGUIDA.

Ele ficará preso no local até o julgamento, que ainda não tem data marcada.
Soldado manteve a ex-mulher refém na casa do pai por quase 12 horas.

Do G1 PE
Comente agora
Está detido no Batalhão de Polícia do Exército o soldado de 24 anos suspeito de ter tentado matar a ex-mulher depois de fazê-la refém por aproximadamente 12 horas. De acordo com a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), ele ficará no local até ser julgado e, se condenado, pode ser excluído da corporação e encaminhado para um presídio comum. Todos os envolvidos na ocorrência prestaram depoimento na sede do DHPP, na Imbiribeira, Zona Sul do Recife. O suspeito será autuado por cárcere privado e tentativa de homicídio.

Soldados do Exército fazem a escolta do suspeito. “Pelas informações que nós temos, ele mataria a vítima e depois cometeria suicídio. O estado dele inspira cuidados”, diz o delegado Igor Leite.
O caso ocorreu da quinta (22) para a sexta-feira (23), em Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife, na casa dos pais de Laís Tamires Melo Souza, 24 anos. O suspeito era lotado no 14º Batalhão de Logística.
A vítima prestou depoimento na manhã desta sexta-feira. Laís disse que ele não aceitava o fim do casamento, ocorrido há aproximadamente 15 dias. Ela voltou a morar com os pais, mas estava sozinha em casa porque os pais haviam viajado pro Rio de Janeiro. Quando o suspeito tentou entrar na casa pela primeira vez, por volta das 11h, Laís avisou o batalhão dele, que prometeu providências. Por volta das 13h, o rapaz chegou novamente com duas pessoas, em uma moto, e conseguiu pular o muro.
Segundo Laís, o soldado colocou um pano na boca dela e a agrediu nos braços. Num descuido do ex-marido, Laís conseguiu entrar em contato com uma prima, por celular, que procurou a Polícia Militar, mas a ajuda só chegou de madrugada. A negociação foi conduzida pela Companhia Independente de Operações Especiais (Cioe-PM) e durou cerca de três horas. O soldado atirou duas vezes – um dos tiros atingiu de raspão o ombro de Laís – mas acabou liberando a moça.
Fonte: G1.com

2 comments:

mizaelle said...
This comment has been removed by the author.
justiça said...

e bom a justiça jugra bem esse caso pois nao e a primeira vez que ele faz isso com pessoas nessa situaçao, nao e a primeira vez pois ele ja tem um prosesso por isso, espero e justiça seja feita pois ele nao merece esta nas ruas pra fazer mas uma, duas, e por mas uma vez fazer a treceira, justiça seja feita pois ai as pessoas que pasarao por isso estraram livre de todos os tromentos de nao poder sair as ruas com tanquilida e paz.