10.4.17

PM DO RIO: "A PIOR GUERRA DO MUNDO"

A PM do Rio é a que mais mata e que mais morre no Brasil. Os números foram divulgados em dois estudos sobre a segurança pública no Rio. Só este ano, 51 PMs foram mortos. É um recorde para os quatro primeiros meses do ano. Essa conta é da própria polícia e começou a ser feita há 23 anos.
De lá para cá, um em cada cinco PMs foi morto ou ferido durante o trabalho ou por causa dele. E fica ainda pior se a gente contar só os policiais da capital e Região Metropolitana. O número dobra para dois em cada cinco policiais mortos ou feridos.
O percentual de policiais mortos no Rio supera o número de militares americanos mortos nas guerras em que o país entrou no século 20.
Fonte: G1.com

1.4.17

UNINASSAU FAZ PESQUISA QUE TIRA O SONO DO GOVERNADOR PAULO CÂMARA

A Segurança Pública e o desemprego são as principais preocupações do pernambucano e refletem na aprovação do governo Paulo Câmara

Franco Benites

Em discursos e entrevistas, Paulo Câmara (PSB) vem afirmando que seus principais desafios são a Segurança e o desemprego. Essa avaliação é embasada pela pesquisa Uninassau. Para 41,3% das pessoas ouvidas pelo instituto, o maior problema do Estado é a violência. Já 21,1% acreditam que o desemprego é o grande obstáculo em Pernambuco. Saúde (16,9%), falta d´ água (5,1%), educação (3%), o próprio governador (2,8%), crise/economia (1,2%) e outros temas (4,3%) representam as demais preocupações dos pernambucanos. Entre as pessoas ouvidas pela Uninassau, 4,2% não responderam ou não souberam responder sobre o assunto.
Ainda de acordo com 31,8% dos entrevistados, a tarefa imediata do governo estadual é oferecer mais policiamento/segurança e 19,3% indicam que é gerar empregos.
Em outra parte da pesquisa, em que os eleitores fazem avaliações segundo a região em que vivem, a Segurança é vista como péssima por 57% dos eleitores. As demais avaliações são ruim (27%), regular (12%), bom (3%) e ótimo (0%).
Os hábitos dos eleitores explicam a aprovação ou reprovação do gestor. Se eleitores frequentam postos de saúde, têm condições de avaliá-los. Isso também ocorre com a Segurança. Quando o eleitor tem sensação de insegurança ou escuta cotidianamente relatos sobre atos violentos, ele reprova o gestor. Eleitores sabem apontar o culpado pela deficiência do serviço público e de quem é a responsabilidade pela a solução dos problemas”, diz o cientista político Adriano Oliveira, professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) um dos coordenadores da pesquisa.

Paulo é apontado por 64,9% das pessoas como maior responsável para dar jeito na violência. O eleitor ainda responsabiliza governos/políticos (18,2%), o presidente Michel Temer (PMDB)/governo federal (5,7%), a Polícia Militar (2,5%) e a população (2%). Um total de 6,3% dos entrevistados não soube ou não respondeu à questão. Para 0,5% há outros responsáveis pela área.
O governador reconhece que a Segurança tem resultados aquém do esperado, mas diz que conseguirá frear a escalada da violência. Ele também divide o problema com o governo federal. Por sua vez, a oposição recorre ao assunto na tentativa de apontar as fragilidades de Paulo Câmara como gestor. O principal mote é de que a violência está em ascensão e de que o socialista não conseguiu manter os índices do Pacto pela Vida, criado por Eduardo Campos.
A estratégia da oposição é a mesma adotada há dez anos por Eduardo, padrinho político de Paulo, quando se candidatou ao governo. Ele fez uma campanha em cima das deficiências da gestão Jarbas Vasconcelos (PMDB) e Mendonça Filho (DEM) no combate à violência e se elegeu. “Pernambuco voltou no tempo e está discutindo a Segurança novamente”, aponta Adriano Oliveira.
EMPREGO
Os eleitores qualificam as oportunidades de emprego como péssimas (48%), ruins (32%), regular (17%), boas (2%) e ótimas (0%). Para 49,4% dos entrevistados, Paulo é o principal responsável para resolver o desemprego. Em seguida, vêm governos/políticos (21%), Temer (14,1%), empresários (1,9%), a petista Dilma Rousseff (1,7%), a própria população (1,7%) e outros (1%). Em sua defesa, o governador destaca que a crise econômica nacional reduziu os postos de trabalho no Estado.

Fonte: NE10.COM

21.3.17

AINDA DA TEMPO PARA SE INSCREVER NO CONCURSO PARA BOMBEIROS MILITARES DE PERNAMBUCO

A partir desta segunda-feira, 30 de janeiro, o Corpo de Bombeiros de Pernambuco recebe as inscrições do concurso (Concurso Bombeiros PE 2017) que visa preencher 300 vagas para ingresso no Curso de Formação e Habilitação de Praças – CBMPE, com requisito de nível médio. O documento de abertura foi publicado no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira, 27 de janeiro, e as inscrições seguem abertas até 26 de março de 2017.
edital de concurso Bombeiros/PE 2017, conforme já antecipado aqui no site, será coordenado pelo Instituto de Apoio à Universidade de Pernambuco (IAUPE/CONUPE). De acordo com a Secretaria de Defesa Social (SDS-PE), os aprovados serão lotados em todo o Estado de Pernambuco, de acordo com as necessidades. Os quartéis da corporação estão situados em Recife, Petrolina, Olinda, Igarassu, Abreu e Lima, São Lourenço da Mata, Jaboatão dos Guararapes, Ipojuca, Fernando de Noronha, Caruaru, Palmares, Garanhuns, Belo Jardim, Bezerros, Santa Cruz do Capibaribe e Serra Talhada.
Veja também – Concursos por Estados:  AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO
O salario inicial do Soldado será de R$2.319,88. Os aprovados serão contratados sob regime estatutário, o que prevê a estabilidade empregatícia. Antes disso, os aprovados no concurso passarão por Curso de Formação e Habilitação de Praça, fazendo jus à Bolsa-Auxílio de Formação Profissional no valor de R$ 970,42. O Curso de Formação e Habilitação de Praças, segunda etapa do concurso, funcionará no Campus de Ensino Metropolitano II (CEMET II), localizado na BR 232, Km 8.3, Curado, Jaboatão dos Guararapes-PE, e terá uma duração média de seis meses a partir do término da 1ª etapa do Concurso Público. |

Requisitos

Para concorrer a uma das vagas no concurso de Bombeiros de Pernambuco, o candidato deverá ter no mínimo o nível médio completo, reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC); ter no mínimo, 18 anos completos na data de ingresso na carreira de militar do Estado e, no máximo, 28 anos na data de inscrição no concurso, considerando-se esta idade até o dia anterior à data em que o candidato completará 29 anos; ter habilitação no mínimo na Categoria B; e possuir altura mínima de 1,65m (homens) e 1,60m (mulheres).


Atribuições

Aluno do Curso de Formação e Habilitação de Praças BM: Exercer atividade discente, em regime de dedicação integral, e demais atividades internas e externas atreladas à sua formação, durante o período de duração do Curso.
Soldado Bombeiro: Executar as tarefas inerentes ao cargo, sendo capaz de aplicar procedimentos de Salvamento, Combate a Incêndio e Atendimento Pré-Hospitalar, realizar vistorias técnicas, e ser capaz de realizar tarefas variadas, reconhecendo as condições de segurança, a cena e a situação da ocorrência. Ter capacidade de utilizar adequadamente os Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

Inscrição Concurso Bombeiros PE 2017

A inscrição no concurso Bombeiros PE 2017 será realizada entre os dias 30 de janeiro e 26 de março de 2017, no endereço eletrônico oficial da organizadora (http://www.upenet.com.br/). A taxa de inscrição custará R$129,60.

Avaliações

O concurso será composto de provas objetivas, discursivas, avaliação física, psicotécnica, médica, investigação e curso de formação. As provas objetivas serão aplicadas na data prevista de 28 de maio de 2017 nas cidades de Recife/Região Metropolitana, Caruaru, Arcoverde e Petrolina.
A prova contará com 80 questões objetivas e uma discursiva, em forma de redação dissertativa. As questões objetivas e a redação dissertativa constantes do Exame de Habilidades e Conhecimentos serão distribuídas em 04 (quatro) blocos temáticos, conforme estabelecido na tabela a seguir.
O Exame de Habilidades e Conhecimentos será realizado em dois turnos, sendo o primeiro, o da manhã, dedicado aos blocos temáticos 2 e 3, totalizando 40 (quarenta) questões objetivas, com duração de 04 (quatro) horas, e o segundo, o da tarde, destinado aos blocos temáticos 1 e 4 e à redação dissertativa, com duração de 04 (quatro) horas. Os portões de acesso aos prédios em que será aplicado o Exame de Habilidades e Conhecimentos dos blocos temáticos 2 e 3 serão abertos às 07h00 e fechados às 08h00 e o exame será iniciado às 08h15 (oito horas e quinze minutos), terminando às 12h15 (doze horas e quinze minutos) com a saída obrigatória de todos os candidatos. Os portões de acesso aos prédios em que será aplicado o Exame de Habilidades e Conhecimentos dos blocos temáticos 1 e 4 serão abertos às 13h00 e fechados às 14h00 e o exame será iniciado às 14h15 (quatorze horas e quinze minutos), terminando às 18h15 (dezoito horas e quinze minutos), todos esses horários de acordo com o horário oficial de Pernambuco.


8.12.16

COMANDANTE DOS BOMBEIROS DE PERNAMBUCO ACREDITA QUE "AMEAÇA" DE GREVE TEM CARÁTER POLITICO

Na Rádio Jornal, mais cedo, durante o programa Passando a Limpo, o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Manoel Cunha, disse com todas as letras que via uso político nas ameaças de greve na PM e levantou uma explicação para o acirramento das ações, por parte das associações corporativas. Ele disse que algumas pessoas estariam com medo de perder protagonismo, depois que os comandantes de batalhões assumissem as negociações salariais junto ao governo do Estado.
Pois bem.
Nesta tarde, a Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) cobrou hoje, do Governo do Estado e da base governista na Casa, a reabertura de diálogo com as associações de policiais e bombeiros militares.
A oposição usar a argumentação de que acredita que o tensionamento das relações entre a categoria, o comando da corporação e o Poder Executivo não interessa ao Estado, aos servidores, nem tão pouco à sociedade Pernambucana, principalmente num momento de crescimento da violência.
Nada fala de como melhorar o atendimento à população, em meio a guerra de interesses corporativos, da qual estaria dissociada se estivesse no poder.
O vice-líder da Oposição, Joel da Harpa (PTN), propôs ao Estado o resgate da mesa permanente de negociação com a categoria e a criação de uma frente parlamentar.
É preciso que o Governo reabra diálogo com a participação das associações e dos comandos da corporação, como sempre funcionou, e sinalize até a próxima sexta-feira (9) como se darão as negociações para evitar um impasse”, explicou, um dia depois de promover passeata de PMs até a porta do Campo das Princesas.
O presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos, o deputado Edilson Silva (Psol), um dos mais demagogos da casa, reforçou a necessidade de reabertura dos canais de diálogo entre todas as partes do processo.
O Governo do Estado errou ao encerrar uma mesa de negociação através de portaria e precisa agora fazer o gesto político de reestabelecer os canais de negociação e resgatar a representatividade das associações”, defendeu, mantendo a coerência com a defesa dos coletivismos´ (quase sempre inúteis).
O líder da Oposição, Silvio Costa Filho (PRB), disse pregar responsabilidade diante do atual quadro de crescimento de violência.
Não é apenas a questão salarial que está em jogo, são também as condições de trabalho e o combate à criminalidade. A política do constrangimento não vai resolver o impasse. O entendimento só será construído com o diálogo e é essa sinalização que o Governo precisa fazer agora”, afirmou.
O que mudou

O Diário Oficial de Pernambuco trouxe nesta terça-feira (6) a revogação de uma portaria que instituía um fórum para as negociações salariais e por melhorias para os policiais militares do Estado. Com o fim do grupo, que era formado por representantes da Secretaria de Administração (SAD) e por oficiais, os ajustes serão feitos a partir de agora pelo comando geral da corporação.